Dia Mundial da Juventude!…

Tal acontecimento coincide com a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Não num espadalhão de abrir a boca a batedores e ao povaréu, mas humildemente montado num jumentinho emprestado. Da multidão eufórica que o rodeava, uns estendiam as capas no caminho, outros cortavam ramos de árvores e espalhavam-nos pelo chão, e todos bradavam “Hossana ao Filho de David! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hossana nas alturas!”. Os engravatados da cidade, alvoroçados por tão alegre e estranha manifestação, perguntavam: “Quem é Ele?” E a multidão que O acompanhava, respondia com grande alegria e entusiasmo: “É Jesus, o profeta de Nazaré da Galileia”.

O distanciamento social causado por esse mortífero covid-19, que teima em nos perseguir e assaltar, tudo alterou, não nos vamos encontrar com os jovens nesse dia e nesse lugar determinado, mas vamos continuar unidos e a viver. É caraterística dos jovens a paixão pela vida e pelo que a vida oferece de bom. Saber coisas, conhecer lugares e pessoas, conviver e aventurar-se, fazer experiências, ter gana de mudar o mundo, lutar e sonhar, sonhar e lutar!… Para os jovens, ouvir que a vida é breve, não faz grande sentido, para eles, isso é conselho de cotas, é experiência de quem já viveu muito e se vê aproximar do fim de linha. Para os jovens, a vida é sempre longa, o futuro tem grande lonjura, olha-se para ele com feliz esperança.

As coisas, porém, nem sempre correm como desejamos, é verdade. Há êxitos e fracassos, há alegrias e tristezas, há momentos de maior genica e muito entusiasmo, há momentos de grande desânimo e de enorme falta de vontade, há contrariedades sem fim a puxar para trás e empurrões a forçar a marcha para a frente: é a vida! No entanto, aconteça o que acontecer, não nos podemos deixar morrer por dentro. O tema que o Papa Francisco deu aos jovens do mundo inteiro para este ano de preparação para a JMJ2022 em Lisboa, vai nesse sentido: «Jovem, Eu te ordeno, levanta-te!” (cf. Lc 7, 14).

De facto, fora ou mesmo dentro de nós, deparamo-nos muitas vezes com realidades de morte física e espiritual que não deixam coragem para nos levantarmos, “mortos” que ficamos. Há sonhos pessoais que fracassam, há metas escolares que não se atingem, há pretensões desportivas e artísticas frustradas, há tantos desejos de felicidade que se revelam mera ilusão, escravizam e podem levar à destruição: vícios, crime, miséria, doença, angústia, tédio de viver, perda da esperança, fechar-se em si, interromper as relações sociais ou torna-las falsas… sim, são muitas e diversas as razões que podem levar à “morte” e Francisco as aponta. E, se, porventura, do interior de alguém rebentam gritos lancinantes de socorro, a falta de compaixão, a indiferença e o egoísmo de quem escuta, pode levá-lo a fazer de conta que não ouve, não quer calçar os sapatos e sair de si mesmo ao encontro dos outros.

Pela atitude de Jesus, Amigo sempre atento, compassivo e capaz de ajudar, aquele jovem morto de Naim voltou à vida. O Papa realça que isso continua a acontecer hoje: «Se perdeste o vigor interior, os sonhos, o entusiasmo, a esperança e a generosidade, diante de ti está Jesus, como parou diante do filho morto da viúva, e o Senhor, com todo o seu poder de Ressuscitado, exorta-te: “Jovem, Eu te ordeno: Levanta-te!”» (CV20).

Se há jovens “mortos”, de costas para a sociedade e a julgarem-se vivinhos da silva porque alimentam o seu ego a passear pelas redes sociais lá no sofá, há muitos outros que saltam para a vida arriscando tudo, colocando até em perigo a sua própria existência. O testemunho de tantos profissionais da saúde e colaboradores de hospitais, das estruturas sociais e outras, os governantes que têm a responsabilidade de decidir, os agentes da proteção civil e da segurança pública, os profissionais e voluntários nos serviços básicos para que a vida da comunidade continue, são, nestes tempos de pandemia, prova disso: há muitos santos na rua a cuidar do próximo! Lá estão também os jovens, atentos aos gritos de gente aflita, sofrendo com quem sofre, disponíveis e voluntários, conscientes de que «Certas realidades da vida só se veem com os olhos limpos pelas lágrimas» (CV76).

Quando se assumem as feridas dos outros, tornamo-nos portadores de esperança e somos capazes de lhes dizer: levanta-te, não estás sozinho, Deus Pai ama-te e Jesus “é a sua mão estendida para nos erguer”. E surgem iniciativas, como, por exemplo, esta que um grupo de jovens de Abrantes, para minorar os sentimentos de isolamento e de solidão dos mais idosos, implementou o projeto “Adota um Avô”. São voluntários, na maioria estudantes, que todos os dias, por telemóvel, fazem companhia ao avô ‘adotado’. A ideia foi duma Valente, escuteira e psicóloga, surgiu numa reunião do seu Agrupamento do CNE: como “fazer a boa ação” neste período de quarentena? Tendo surgido a ideia, ela foi desenvolvida no seio da Pastoral Juvenil da Diocese de Portalegre-Castelo Branco, de cujo Secretariado a Teresa Valente faz parte. Embora dirigido para os idosos, o projeto já conta com muitos netos de avós adotados. A ideia está a saltar, para dentro e fora de portas. E se hoje não se conhecem, um dia, esse neto ou essa neta há de marcar encontro com esse avô ou essa avó para que se conheçam. E o desafio está lançado, tem algumas regras e objetivos, mas quem desejar participar, basta contactar pela página Facebook ‘SDPJuventude e Vocações de Portalegre Castelo Branco’.

De igual modo, qualquer gesto de amor junto de um jovem “morto” por dentro, de um jovem que sofre, que perdeu a fé e a esperança, será muito importante. Mas será tanto mais eficaz quanto mais quem o fizer for primeiramente tocado por esse amor e tiver feito a experiência dessa bondade de Deus para consigo próprio. Esse, sim, poderá gritar com toda a propriedade: «Jovem, Eu te digo, levanta-te!». Será “um toque prolongado de Jesus a comunicar vida, um toque que “penetra numa realidade de desolação e desespero”, um toque “que passa também através do amor humano autêntico e abre espaços inimagináveis de liberdade, dignidade, esperança, vida nova e plena”, um toque que faz começar a falar como o jovem de Naim: ele “começou a falar”, um toque que convida o jovem “ressuscitado” a falar das suas circunstâncias e personalidade, das suas tristezas, dos seus desejos, das suas necessidades, dos seus sonhos.

“Numa cultura que quer os jovens isolados e debruçados sobre mundos virtuais, façamos circular esta palavra de Jesus: «Levanta-te». É um convite a abrir-se para uma realidade que vai muito além do virtual. Isto não significa desprezar a tecnologia, mas usá-la como um meio e não como fim. «Levanta-te» significa também «sonha», «arrisca», «esforça-te por mudar o mundo», reacende os teus desejos, contempla o céu, as estrelas, o mundo ao teu redor”. E a todos quantos te perguntarem “Quem é Ele?”, responde com entusiasmo como aqueles que O acompanhavam na entrada triunfal em Jerusalém: “É Jesus, o profeta de Nazaré da Galileia”.

 

Antonino Dias

Portalegre-Castelo Branco, 03-04-2020.

Nuno Miguel Barradas Tavares Folgado

Partilhar:
Comments are closed.