“O Planeta grita aqui-d’ el-rei!… a sociedade está terrivelmente doente!… eu estou muitíssimo mal!… Deus não existe ou morreu!…” 

Ena, pá, que tanta desgraça desgraçada no sótão de alguma gente! Tanto balancete a pingar masoquismo e sem rasgar qualquer horizonte que faça sorrir e gargalhar, coisa tão urgente quão necessária! Será que em certos diagnósticos ainda restará alguém para apagar a luz, acravelhar o postigo e taramelar a porta?… 

Discordamos dessas carpideiras de Deus e pessimistas catastróficos! Auguramos que o novo ano ajude a içar esses ânimos bem lá nas alturas, traga mais vida e vida renovada. Deus não morreu, não senhor, com grande desgosto para quem sempre se ajanota para ocupar o Seu lugar. Os céus e a terra proclamam eternamente a Sua presença, a Sua glória, o Seu poder e a Sua majestade. A sociedade, porém, apesar dos seus achaques e dores de cotovelo, também não está tão mal como a desenham e pintam, a barca de Caronte ainda não se avista. Tais fazedores de opinião, pelo que sei e suponho, também não estão de pés pra a cova. No entanto, a quem se sente muito deprimido e a esgueirar-se pelo buraco de ozono adentro, aconselho a que não cruze os braços, não deixe de fazer o que deve, separe os lixos que são muitos e de variada espécie, e, mesmo sem receita médica, será bom tomar uns fármacos prodigiosos e à mão de semear. Não são mezinhas, não. Não têm efeitos secundários e a posologia é fácil. Além do mais são gentilmente oferecidos. Devem tomar-se todos os dias e em doses suficientes. Sim, nem de mais nem de menos para não provocarem tontices, mas assim como quem deita sal na comida para dar sabor à vida.

Mas então de que terapias se trata? Trata-se da fé que nos ampara, da esperança que nos anima, da caridade que nos compromete. Trata-se de sermos cireneus uns dos outros por entre os ziguezagues, curvas e contracurvas da vida. Com todas essas provisões na sacola, com feliz curiosidade e orientados pela estrela, também nós vamos ao encontro do Menino de Belém que veio para que vivêssemos na alegria e a nossa alegria fosse verdadeira e completa. Vamos conduzidos pela luz da fé, uma luz muito mais forte que a luz das estrelas. Vamos animados e confortados pela esperança do encontro com Deus que é amor, que é rico em misericórdia, nos toca no ombro, nos olha, sorri e abraça com abraço de partir costela. E, se, porventura, tirarmos mal os azimutes, se, confiando demasiadamente em nós próprios, nos perdermos pelo caminho ou o caminho for demasiadamente difícil de trepar, insistiremos em ligar ao pronto socorro, ao Espírito Santo que logo nos servirá de gps ou faremos como os Magos: perguntaremos a quem saiba, nos possa e queira ajudar. Com Einstein, também nós afirmamos que “o cristianismo salva e eleva o nosso espírito. As suas palavras estão impregnadas de sabedoria divina e os seus ensinamentos são os mais valiosos que o espírito humano atingiu”. 

O verdadeiro encontro com Jesus é fascinante, os Seus desafios são excelentes, o que disse e fez apaixona, as reações humanas, porém, são muito diferentes e, algumas, mesmo muito engraçadas. Sem perder tempo, já no caminho, mesmo às portas ou já dentro da Igreja, ouviremos as vozes de quem se sente frustrado porque, naquele encontro, sentiu desafios que não gostou de sentir. Desafios que não sintonizam bem com os seus gostos acomodados e posição social pouco linear e light. Desafios que, porque lhe causam mossa, dá-lhe vontade de lhes torcer o pescoço, os manipular ou suprimir. Eles obrigam a respeitar a vida desde a conceção à morte natural; exortam a pisgar-se dos vícios e quejandos; proíbem que alguém abrace amorosamente os cargos públicos ou similares para consolar e almofadar os bolsos; não pactuam com fraudes bancárias ou outras; pedem responsabilidade individual, familiar, profissional e social; desaconselham as ruturas matrimoniais só porque lhes dá na gana e apesar do sofrimento que sempre causam, sobretudo aos filhos; apelam à solidariedade, à transparência e honestidade; mandam ter em muita atenção os outros…. 

Uf!…que chatice chata!… Reclamam transformação interior e não há determinação para isso, mesmo que se reconheçam como princípios ideais e fomentem a alegria e a paz. André Malraux, no seu ego, exprimiu-se assim: “Há certamente, uma fé superior. É a que tem cruzes nas aldeias. Ela é amor e nela se encontra a paz. Mas eu não a aceitarei nem me rebaixarei para lhe pedir a tranquilidade que a minha fragilidade exige”. 

Outros haverá que abandonam a fé porque dizem que a fé impede de saborear o que a sociedade oferece e as leis consideram aceitável, como se a verdade dependesse de maiorias parlamentares ou de outras, ou de si próprios. Ou então, também está na moda dizer-se que acreditar em Deus é ser retrogrado, ficando ufanos e cheios de nove horas por serem considerados progressistas, num conceito de progresso mui dúbio e discutível, de fazer rir, talvez chorar! Alguns outros, para se manifestarem superiores ou abalarem sub-repticiamente, invocam o fraco testemunho dos cristãos. É verdade que o há e não deveria haver, mas entendo que são desculpas de mau pagador. Isso não deve levar ninguém a afastar-se, deve levar, isso sim, a não cair nos mesmos erros e a ser diferente, para melhor, e a tentar ajudar quem age mal ou menos bem. Comungo do que Martín Descalzo escreveu: “Amo com maior intensidade a Igreja porque é imperfeita. Não é que goste das suas imperfeições, mas penso que sem elas há muito tempo que dela me teria expulso. Ao fim e ao cabo, a Igreja é medíocre porque está formada por gente como nós, como tu e como eu. E é isto que, em resumo, nos permite continuar nela”.

Com o máximo respeito por todos e sabendo que Deus a todos convida e por todos nasceu em Belém, formulamos votos para que, ao longo deste novo ano, os crentes testemunhem verdadeiramente o grande dom da fé. E os não crentes sejam surpreendidos no seu caminho de Damasco e possam perguntar, curiosos como Paulo: “quem és tu, Senhor?”; ou possam reconhecer e professar, contritos como Tomé: “Meu Senhor e meu Deus!”. 

Como graciosamente referiu Newman aos seus amigos, para entrar nesta Igreja, não é preciso cortar a cabeça, basta tirar o chapéu! Não perante os homens, claro está. Mas perante Deus que nos respeita, sustenta e ama, sem Se insinuar nem dar nas vistas, mas levando-nos a ver e a sentir com os olhos e os ouvidos do coração. 

 

Antonino Dias, Bispo Diocesano

Partilhar:
Comments are closed.