Os sinos repenicaram e os aplausos troaram naquela grande praça cujas colunatas de Bernini abraçam a praça, a cidade e o mundo. A Rádio Vaticano anunciava que a Basílica e a Praça de São Pedro eram o palco de uma verdadeira festa salesiana. Foi em 5 de março de 1950. Quatro anos depois, em 13 de junho de 1954, a festa repetia-se. A multidão era muito maior, muito maior foi o aplauso. Na primeira festa, dezenas de milhares de jovens de todo o mundo, associavam-se à multidão para celebrar a Beatificação de Domingos Sávio por Pio XII, um estudante de 14 anos como que a dizer-nos que a santidade é possível em todas as idades e condições. Na segunda festa, voltaram a soar os sinos pela sua canonização. Mais de vinte e cinco mil estudantes dos Colégios Salesianos lá estavam associados à Igreja Universal para aplaudir e agradecer aquele jovenzinho, verdadeiro estimulo nos caminhos da santidade. Concretizava-se assim aquilo que o Padre João Bosco havia dito em 13 de setembro de 1862: “Eu vos garanto que teremos jovens da casa elevados às honras dos altares”. 

O Padre João Bosco, canonizado em 1934, foi o fundador da Sociedade de São Francisco de Sales, a Sociedade Salesiana. Mais tarde, com Maria Domingas Mazzarello, canonizada em 1951, fundou o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, um Instituto de Vida Consagrada feminina, bem como constituiu a Associação leiga dos Cooperadores Salesianos. Têm como carisma e missão a educação, a promoção e a evangelização dos jovens. Se os santos e as santas são a mais fina flor da humanidade, Domingos Sávio foi a primeira a sair desses jardins salesianos para perfumar e embelezar a Igreja e a sociedade.

Nascido em 2 de abril de 1842, nos arredores de Turim, Itália, Domingos era um dos três filhos de Brígida, costureira, e de Carlos Sávio, ferreiro, uma família exemplar na vivência da fé e rica em valores humanos. Desde pequenito que chamava a atenção pela sua maneira de ser e estar, pelos seus gestos, atitudes e sentimentos, pelo seu gosto em frequentar a igreja e ajudar à Missa. Não raro, se a igreja estivesse fechada, ajoelhava-se à porta e ali ficava em oração, “nevasse ou chovesse, fizesse frio ou calor”. Aos sete anos fez a primeira comunhão, afirmando anos mais tarde que foi “o mais belo dia” da sua vida. Nessa ocasião, traçara um projeto de vida em que se prometia frequentar os sacramentos, santificar os dias festivos, ter como amigos Jesus e Maria, e, “antes morrer que pecar”.

Aos doze anos de idade encontrou-se com o Padre João Bosco pedindo-lhe para ser admitido no Oratório de São Francisco de Sales, em Turim, porque queria ser Padre. Dom Bosco, acolheu o rapazito que lhe pareceu e comentou ser boa fazenda, bom pano, ripostando Domingos que, então, fosse ele o seu alfaiate. Logo se destaca pela “exata observância do regulamento da casa, a empenhada aplicação no estudo, o cumprimento fervoroso dos deveres, a frequência dos Sacramentos da Confissão e da Comunhão, a disponibilidade com que acolhia e ajudava os companheiros”, como afirmam fontes salesianas das quais me estou a servir. A sua presença e testemunho caraterizavam-se pela alegria: “Sei que posso tornar-me santo, sendo alegre”. E logo cacarejava aos recém-chegados a importância dessa virtude e aquilo que a podia rapinar: «nós aqui – dizia ele – fazemos consistir a santidade no estar muito alegres”. E acrescentava: “procuramos apenas evitar o pecado, como um grande inimigo que nos rouba a graça de Deus e a paz do coração, e de cumprir exatamente os nossos deveres».

Sempre humilde e respeitoso, preferia mais ouvir do que falar, embora logo surgisse a serenar as desavenças entre os colegas, mesmo junto daqueles dos quais sofrera alguns dissabores, aquilo que leva hoje muitos sábios da nossa praça a espirrar e explicar ciência, chamando-lhe bullying. 

Não sei se consta em alguma biografia dele, mas quando eu andava lá pelos bancos do aprender a aprender e em idade de melhor fixar o que esbarrava ou beliscava os ouvidos da normalidade, gravei cá no cinemascópio da memória o que um ou outro Formador nos dizia sobre São Domingos. Se estivesse a estudar e tocasse a campainha para o recreio, por exemplo, e se ele estivesse a escrever o “i”, era tão exímio na obediência que nem sequer colocava o pontinho sobre o “i”, isso ficava para o depois. Ora, se o “i” fosse tão alto como um obelisco egípcio e o pontinho a colocar, lá no seu mais alto, fosse uma enorme bola de pedra, com certeza que deixar de o fazer seria um grande e desejado alívio nessa pesada, difícil e perigosa trabalheira. Até poderia estar aí o absurdo da nossa própria vida, se o ponto, já perto do topo, sempre caísse fazendo-nos recomeçar a tarefa. Assim tal como Albert Camus, em “O Mito de Sísifo”, nos torna presente o castigo dado a esse personagem da mitologia grega para nos fazer filosofar sobre os absurdos do quotidiano existencial. De facto, isso de deixar de colocar o pontinho em cima do dito cujo… só mesmo de santos!… ou só mesmo de educadores a puxar pela guelra dos educandos!… Fosse lá como fosse, sempre fazia levantar a fasquia pessoal no desafio à exigência do cumprimento do dever…

São João Bosco, que considerava Domingos “de boa índole e muito piedoso”, afirmou: “Descobri naquele adolescente uma alma totalmente conforme ao espírito do Senhor, e fiquei surpreendido considerando os efeitos que a graça de Deus tinha operado em Domingos”. De facto, tocado pelo carisma salesiano, tinha como meta alcançar a santidade e despertar nos outros isso mesmo, a conversão, a santidade, chegando a dizer: “Oh! Se eu tivesse forças e virtude, quisera ir agora mesmo, e com sermões e bom exemplo, convertê-las todas, a Deus”. Com esse objetivo e consagrado a Maria, chegou a fundar, com amigos do Oratório, a Companhia da Imaculada, um instrumento para o trabalho apostólico em grupo, donde saíram grandes colaboradores de São João Bosco. Mas, como diz o povo, tudo vai bem enquanto há saúde. Domingos, aos 14 anos, adoeceu com tuberculose, foi perdendo o petite, piorou, regressou à casa paterna, acamou, sujeitou-se aos tratamentos da época que, apesar de incómodos e dolorosos, suportava com toda a serenidade. Tendo a perceção da evolução da doença, pediu a presença do seu Pároco. Depois de quatro dias, apesar da convicção do médico e de seus pais de que ele iria melhorar, Domingos pediu a Santa Unção. Seus pais, para o animar, obtiveram-lhe uma bênção papal. Na noite do dia 9 de março de 1857, após uma nova visita do seu Pároco, pediu a seu pai que lhe lesse orações para ter uma morte serena. Cansado, adormeceu por algum tempo, mas logo acordou, perguntando o que é que o Pároco lhe tinha dito, pois já não se lembrava. Despedindo-se dos pais, e agraciado na hora da morte, exclamou: “Oh, que linda visão estou a ter! Que lindo!”. A notícia da sua morte correu célere, seu pai comunicou-a a São João Bosco: “É com lágrimas nos olhos que lhe dou esta notícia: o meu querido filho Domingos recolheu a alma a Deus, ontem à tarde, 9 de Março”.

Dom Bosco escreveu a sua biografia e diz-se que chorava cada vez que a relia. Nela conta que em várias ocasiões viu Domingos estasiado depois de receber a Sagrada Comunhão. Um dia, encontrou-o no coro da igreja, não resistiu em lhe falar: “Fui ver – conta Dom Bosco – e encontrei Domingos que falava e depois se calava, como à espera de uma resposta. Entre outras coisas ouvia claramente estas palavras: ‘Sim, meu Deus, já vos disse e vo-lo digo de novo: amo-vos e quero amar-vos até à morte. Se virdes que vos hei de ofender, enviai-me a morte: sim, antes a morte que o pecado”. Quando lhe perguntou o que fazia nesses momentos, Domingos respondeu: “Pobre de mim, vem-me uma distração, e naquele momento perco o fio das orações, e parece-me ver coisas tão belas que as horas fogem sem que eu dê por isso”. 

Domingos Sávio mostra do que são capazes os jovens quando se abrem ao encontro com Cristo, o verdadeiro Amigo que provoca, interpela, atrai, inspira, desafia e faz-se companheiro de viagem nas aventuras duma vida com sentido.

 

Antonino Dias

Portalegre-Castelo Branco, 11-09-2020.

 

Antonino Dias

Partilhar:
Comments are closed.