A democracia é simpática, é um valor, favorece o exercício da cidadania, “assegura a participação dos cidadãos nas opções políticas e garante aos governados a possibilidade quer de escolher e controlar os próprios governantes, quer de os substituir pacificamente, quando tal se torna oportuno” (Encíclica Centesimus Annus,46). No entanto, embora não seja de louvar, hoje existe um certo desencanto e desinteresse dos cidadãos pela política. São muitas as causas que podem levar alguém a deixar cair os braços e optar pelo absentismo e abandono, negando o próprio contributo para uma sociedade sempre necessitada de renovação e crescimento. De facto, há desvios que “geram, com o tempo, desconfiança e apatia e consequentemente diminuição da participação política e do espírito cívico no seio da população que se sente prejudicada e desiludida” (id. 47).

Nesta caminhada para a celebração do Natal, construímos o Presépio que nos manifesta a ternura de Deus e nos envolve na história da salvação. Em escolas e universidades, estudam-se muitas pessoas ilustres, o que disseram e fizeram, e bem. Nenhuma, porém, tão ilustre e tão revolucionária como Jesus a influenciar as dinâmicas da história, a promover a dignidade e a convivência humana e o progresso dos povos em amor e paz. Foi o maior líder da história de todos os tempos. É incomparável, mesmo que ignorado por uns e arredado por outros! Empenhou-se como ninguém no bem estar e transformação das pessoas, das famílias e da sociedade. Irradiava simpatia e nunca se desviou da Sua missão e estilo. Ensinava com autoridade, clareza e humildade. Impunha-se pelo exemplo e pela caridade na verdade, sem medo nem demagogias, sem autoritarismos nem pretensões pessoais. Vivia comprometido pelo bem de todos, especialmente com os pobres e marginalizados cuja esperança jamais se frustrará. Passados dois mil anos, a Sua palavra, o Seu projeto e metodologia continuam atuais e atuantes a fascinar discípulos e a inspirar muitos daqueles que O não querem reconhecer. A tudo se sujeitou, tudo fez e suportou. Denunciou o erro e as injustiças sociais, anunciou a verdade e o caminho para que todas as pessoas encontrassem sentido para a vida e fossem respeitadas na sua dignidade, com direitos e deveres. Deixou-nos um desafio: “fazei como Eu fiz, amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”. No Natal celebramos, pois, individualmente, em família e na sociedade, o nascimento deste Menino, o Filho de Deus, o Senhor do cosmos e da história, o princípio e o fim. Não é possível celebrar verdadeiramente o Natal esquecendo, negando ou minimizando a pessoa de Jesus para promover e idolatrar, sobretudo junto das crianças, o pai natal e o consumismo, fazendo crescer o egoísmo dos apaparicados e aumentando a tristeza dos pais e de outros que, materialmente, nada têm para dar nem as crianças algo para receber. Celebrar o Natal é pôr-se a caminho e deixar-se encontrar por Jesus, é converter-se, é renovar-se, é rasgar horizontes mais solidários e fraternos, é mudar a história da sua própria vida e, pensando sobretudo nos que não têm voz, é comprometer-se na construção do bem comum, com criatividade, inteligência e disponibilidade. 

Se todo o cidadão está desafiado à participação e deve fazer-se protagonista na construção da causa pública, com muita mais razão um cristão deve sentir essa alegria e responsabilidade, esse direito e dever. São Paulo VI, na continuidade do Concílio Vaticano II, afirmava que o cristão tem como campo da sua ação evangelizadora “o mundo vasto e complicado da política, da realidade social e da economia, como também o da cultura, das ciências e das artes, da vida internacional, dos “mass media” e, ainda, outras realidades abertas para a evangelização, como sejam o amor, a família, a educação das crianças e dos adolescentes, o trabalho profissional e o sofrimento” (Ex. Evangelii Nuntiandi, 70). E São João Paulo II acentuava que, para animar cristãmente a ordem temporal, os cristãos não podem “abdicar da participação na «política», ou seja, da múltipla e variada ação económica, social, legislativa, administrativa e cultural, destinada a promover orgânica e institucionalmente o bem comum (…) todos e cada um têm o direito e o dever de participar na política, embora em diversidade e complementaridade de formas, níveis, funções e responsabilidades. As acusações de arrivismo, idolatria de poder, egoísmo e corrupção que muitas vezes são dirigidas aos homens do governo, do parlamento, da classe dominante ou partido político, bem como a opinião muito difusa de que a política é um lugar de necessário perigo moral, não justificam minimamente nem o ceticismo nem o absentismo dos cristãos pela coisa pública” (Ex. Christifideles Laici, 42).

Os tempos mudam, é verdade. Deus, porém, não muda, nem Ele nem os Seus planos. Na fé encontraremos o essencial que nos faz entender e caminhar por caminhos que libertam e ajudam a libertar. Descobrir e ajudar a descobrir a dignidade de cada pessoa humana é tarefa essencial da Igreja, e a Igreja somos todos os batizados. Jesus veio ao nosso encontro e deu-nos o exemplo, anunciou e deu-nos o programa do Seu Reino, convidou-nos a ser verdadeiros cidadãos desse Reino, apontou-nos prioridades e pistas para o caminho, sugeriu-nos meios, prometeu estar sempre connosco.

Antonino Dias, Bispo Diocesano

Partilhar:
Comments are closed.