9 de Dezembro, Dia Internacional Contra a Corrupção

As Nações Unidas, desejando promover uma cultura da honestidade e melhor serviço ao bem comum, declararam o dia 9 de dezembro de cada ano como Dia Internacional Contra a Corrupção: foi em novembro de 2003. Nascida, por vezes, de um pequeno favor ou jeitinho, a corrupção tem muitas pontas, variados tipos e caras, jeitos e feitios, fatos e vestidos. Infelizmente, é uma realidade transversal às sociedades na diversidade dos seus estratos sociais, das suas áreas e setores de presença, ação e serviço. Mais epidémica se torna quando escasseiam os valores da convivência social, a boa educação e o testemunho de quem tem responsabilidades na gestão da causa pública, seja qual for a importância ou o nível dessa causa ou serviço. O chico-esperto sempre pula de qualquer bancada para entrar no jogo da corrupção, esquecendo a verdade de si próprio e a dos outros, isto é, a honestidade.

 A corrupção, tanto a ativa como a passiva, é pecado. À face da lei civil é crime. Ela trai os princípios da moral e as normas da justiça social. Distorce a verdade e a função das instituições. A solidariedade ético-social que deve reinar entre as pessoas e os povos é posta em causa. O desenvolvimento e o progresso do bem comum sofrem. Quando, porém, o pecador reconhece o mal feito, se não é corrupto, logo se arrepende e pede desculpa e perdão, repara o mal feito, sente vergonha e procura emendar-se, mesmo que tenha de responder civilmente e sofrer as consequências dos seus atos. Se é corrupto, não dá a mão, desculpa-se ou nega, sente-se cheio de razão e seguro de si mesmo. Tem dificuldade em reconhecer os caminhos por onde se meteu, quer seja no âmbito político ou religioso, quer no público ou privado, quer no mundo empresarial ou de negócios, quer onde quer que seja…

Ao prefaciar um livro sobre a Corrosão, livro que nasceu de um diálogo entre o Cardeal Peter Turkson e Vittorio Alberti sobre como combater a corrupção na Igreja e na sociedade, o Papa Francisco, que vezes sem conta se tem referido à corrupção, afirma que “o ser humano tem uma relação com Deus, uma relação com o próximo, uma relação com a criação, ou seja, com o ambiente em que vive. Essa tríplice relação – na qual também se inclui a do homem consigo mesmo – confere contexto e sentido à sua atuação e, de um modo geral, à sua vida. Quando o homem respeita as exigências dessas relações, é honesto, assume responsabilidades com retidão de coração e trabalha para o bem comum. Quando, pelo contrário, sofre uma queda, ou seja, se corrompe, essas relações sofrem laceração. Assim, a corrupção exprime a forma geral da vida desordenada do ser humano decaído. Ao mesmo tempo, ainda como consequência da sua queda, a corrupção revela uma conduta antissocial tão forte que mina a validade das relações e, portanto, os pilares sobre os quais se apoia uma sociedade: a coexistência entre as pessoas e a vocação para desenvolvê-la. A corrupção destrói tudo isso, substituindo o bem comum por um interesse particular que contamina toda a perspetiva geral. Ela nasce de um coração corrupto e é a pior chaga social, porque gera gravíssimos problemas e crimes que envolvem todos. A palavra “corrupto” recorda o coração roto, o coração partido, manchado por alguma coisa, arruinado como um corpo que, na natureza, entra em processo de decomposição, libertando mal cheiro. O que está na origem da exploração do homem pelo homem? O que está na origem da degradação e do desenvolvimento falhado? O que está na origem do tráfico de pessoas, de armas, de droga? O que está na origem da injustiça social e do rebaixamento do mérito? O que está na origem da ausência de serviços para as pessoas? O que está na raiz da escravidão, do desemprego, da incúria das cidades, dos bens comuns da natureza? O que afeta, em suma, o direito fundamental do ser humano e a integridade do ambiente? A corrupção que, na verdade, é a arma, é a linguagem mais comum inclusive das máfias e das organizações criminosas do mundo. Por isso ela é um processo de morte que alimenta a cultura de morte das máfias e das organizações criminosas”.
Aos Empresários Católicos, Francisco alertava-os para este risco, entre outros: “O risco da honestidade. A corrupção é a pior chaga social. É a mentira de procurar o lucro pessoal ou do próprio grupo sob as aparências de um serviço à sociedade. É a destruição do tecido social, sob as aparências do cumprimento da lei. É a lei da selva, mascarada de aparente racionalidade social. É o engano e a exploração dos mais débeis ou menos informados. É o egoísmo mais grosseiro, escondido por detrás de uma generosidade aparente. A corrupção é gerada pela adoração do dinheiro e volta para o corrupto, escravo daquela mesma adoração. A corrupção é uma fraude da democracia e abre as portas a outros males terríveis como a droga, a prostituição e o tráfico de pessoas, a escravidão, o comércio de órgãos, o tráfico de armas, e assim por diante” (17/11/2016). E no III Encontro Mundial dos Movimentos Populares, Francisco dava um conselho: “A qualquer pessoa que seja demasiado apegada às coisas materiais ou ao espelho, a quem ama o dinheiro, os banquetes exuberantes, as casas sumptuosas, roupas de marca, carros de luxo, aconselharia que compreenda o que está a acontecer no seu coração e que reze a Deus para que o liberte destes laços (…) todo aquele que seja apegado a estas coisas, por favor, que não entre na política, não entre numa organização social ou num movimento popular, porque causaria muitos danos a si mesmo, ao próximo e sujaria a nobre causa que empreendeu”.

 

Antonino Dias

Partilhar:
Comments are closed.